Redes Sociais se Tornam Obrigação para Empresas. Culpa da Convergência

A Web 2.0 – ou Social Media – se tornou frenesi nos ambientes corporativos. Muito se tateia, mas, de fato, pouco se mostra de tangível e interessante (em termos de resultados claros) em termos aplicações 2.0 pelas empresas.

Twitter, Orkut, Facebook, LinkedIn, Flickr, MySpace, Google, Yahoo, Formspring, Youtube, além de Wikis, Blogs, 3DWeb e outros aplicativos desenhados para a lógica das redes e comunidades fizeram a Internet, sob o ponto de vista do marketing, do relacionamento e da colaboração, renascer para o mundo corporativo, principalmente no tocante a interação das empresas com 2 públicos fundamentais: clientes e funcionários.

A Web Social passou a fazer sentido para as empresas, quando seu tom interativo e transacional começou a aflorar. E isso se deu, de fato, com o mundo multicanal/multidevice/multiplataforma que a convergência e a mobilidade proporcionaram a estas aplicações, antes vistas como simples “redezinhas” de bate-papo de amigos, adolescentes e nerds.

Se um dia, um grande pensador/empresário do varejo norte-americano disse “nunca chame seu cliente de idiota, porque sua esposa é um deles”, o mesmo vale para as redes sociais: nunca subestimes grupos, redes e comunidades, porque seu filho, funcionário, cliente, amigo, marca, produto, serviço, esposa, amante… e até seu cachorro estão lá, mesmo que não saibam ou não queiram.

Aceitemos o fato. Social Media, para empresas, não é tendência. É urgência. É mainstream. Mas isso não quer dizer que deve ser infantil, desconecta da estratégica ou eventual.

As empresas, independentemente de setor, core-business, cadeia, tamanho ou região, estão enfiadas até a cabeça na Economia das Redes, na era do interligado, do interconectado, das trocas incessantes. Trocam a todo momento informações, recursos, impressões, sensações, experiências, idéias, opiniões… Influenciam e são influenciadas diuturnamente por seus diversos stakeholders. O Fator Relacionamento assume cada vez mais peso na Economia e no equilíbrio das forças mercadológicas, uma vez que se tem muito mais informação, acesso e, portanto, capacidade de formar opinião e ler realidades.

A cada momento brotam comunidades, micro-sociedades, grupos e tribos auto-organizadas por interesses, gostos, hábitos, regiões, comportamento, pontos de vista. É o Homem procurando seu similar, seu igual em qualquer canto do mundo. Religiões, valores, crenças, culturas, doutrinas e preferências são aglutinadores mais que poderosos. O mundo se redefine a todo instante sócio-geo-politicamente, se reorganizando em novos grupos, transnacionais, transregionais, meta-étnicos. Isso é da natureza humana, é 2.0. Sempre foi e sempre será.

Aonde vamos parar é uma resposta inexata – aliás não há resposta para essa pergunta. O Homem é o único animal capaz de planejar e alterar seu destino. O todo social é fruto da construção do um, somado ao um e ao um e ao um… elevado à enésima potência, com diversos vetores, a todo instante. Justamente por isso as redes (não só locais, mas virtuais), frutos dessas interações infinitas, são o novo emaranhado social, o novo tecido que dará o tom da nossa sociedade, rediscutindo valores, relendo a História, reinterpretando fatos, reavaliando propostas, recriando mercados. E as empresas (e suas marcas, produtos, serviços, mensagens, grupos, áreas, colaboradores…) são enormes hubs dessas redes, quer queiram, quer não.

A Internet e as TICs (Tecnologias da Informação e Comunicação) são o fermento de todo esse processo de natureza eminentemente humana. É do Homem – e de suas organizações, como as empresas – querer trocar, comerciar, aprender, imitar, influenciar. É exponencial esse processo bio-sociológico do Homem na Era Digital das micro-redes que formam a Grande Rede.

Esse novo Mercado está em equilíbrio dinâmico; ou seja, a cada nova interação se cria um novo patamar de equilíbrio mercadológico, diferente do anterior. A cada novo patamar, variáveis novas aparecem, novos comportamentos aparecem, velhos paradigmas ficam para trás. Esse novo Mercado não é estático, não é perene, não tem dono; somente atores. O equilíbrio das forças é derivado direto do poder de cada ator e do poder dos grupos (permanentes ou temporários) formados por esses atores – que representam interesses diversos, modus vivendi e modus operandi diversos. Por isso é tão dinâmico e tão mais potencialmente democrático.

É sabido que as redes de informação – que antes estavam confinadas à proximidade física – agora ficaram globais e intermitentes por conta da Internet. A Grande Rede é, no fundo, uma mega arquitetura mutante, pseudo-desorganizada de computadores, notebooks, hand-helds, celulares, smart-phones, TVs e demais devices com acesso à Rede. O mundo do IP determinará o novo padrão das trocas entre os humanos e suas empresas, seja das trocas de informação e recursos, seja das transações mesmo. Aumentam-se assim as possibilidades por se aumentar a instantaneidade e a riqueza informacional. Pesquisar, checar, informar, ofertar, requisitar e comparar são tarefas mais fáceis, mais possíveis a cada um.

A Informação é o recurso básico dessa nova Economia que transforma tudo em informação – de produtos e conhecimento à capital financeiro, que migra a todo segundo de transferência eletrônica a transferência eletrônica em formato de informação. Tudo que pode ser transformado em bit pode ser considerado informação.

Esse fluxo infinito de informações tem valor – valores diferentes para agentes econômicos diferentes em momentos e ocasiões diferentes. A informação de valor a um agente é aquela capaz de ser processada, de ser entendida, tratada, trocada e armazenada. Esse processo é feito pelas diversas mídias disponíveis (PCs, TVs, Celulares, Smart-Phones, etc), desde que estes estejam conectados à Rede. A natureza e variedade desses devices somente aumentarão com o tempo. Tudo que puder estar online estará. Relógios, roupas, óculos, eletro-domésticos, eletro-eletrônicos… tudo poderá trocar informação, via rede, com os outros devices servindo a outros atores.

Nossa leitura é que nós humanos – aparentemente fornecedores e usuários dessas informações – agentes de interação pontual com a Rede seremos, cada vez mais, como parte integrante online desta Rede.

A revolução digital, principalmente a convergente, mobile/wireless, está se permeando entre nós, guiada por uma explosão de novas diretrizes e tecnologias que foram, uma vez, o mundo da ficção científica e de seus heróis. Os telefones celulares, os palm-tops, handhelds, laptops e as redes sem fios fazem a Internet virtualmente acessível em qualquer lugar, a qualquer momento. Hoje isso já é possível, mas amanhã teremos a Web realmente transparente, praticamente uma utility, perceptível somente quando em falta, como já ocorre com a energia elétrica e o gás.

Neste momento, quando tudo estiver online, cada ser humano será um nó ativo no fluxo online e instantâneo de informações. Por este nó de rede passarão os impulsos informacionais. É mais ou menos como se cada Ser Humano fosse um elo na arquitetura da mega rede de informações, assim como os computadores já o são. Ou seja, como se cada Humano fosse, em si, também mídia para essas informações, uma vez que a produz, transforma, trata, armazena, dissemina e troca.

Esse novo Ser Humano digital – o Homus Informatione – terá acesso instantaneamente à informação, captando-a, traduzindo-a, disseminando-a, mas principalmente, criando novas informações, gerando conhecimento, deixando suas pegadas, tornando-se, ele próprio, em informação. Analogamente, é como se cada ser humano, nesta rede de informações fosse similar a um poste de energia elétrica na rede de distribuição e gerenciamento de energia. E será o usuário 2.0 o artífice desta evolução, porque também será o consumidor 2.0, o acionista 2.0, o funcionário 2.0, o ex-funcionário 2.0, o ongueiro 2.0, etc.

Sem dúvida alguma estamos migrando para essa realidade. E quando isso ocorrer, toda uma nova Economia, novos mercados com novos valores e práticas brotarão. Muitos dos que hoje dominam morrerão e terão cumprido seu papel de ponte tecnológica. Alguns sobreviverão, inúmeros nascerão. Vale lembrar, porém, que, atualmente, a digitalização é uma grandeza ofertada somente a poucas pessoas no mundo – algo exclusivo das classes e países mais ricos. A inclusão digital é um imperativo para que essa nova Economia – mais transparente, pulsante e democrática – cresça, eliminando os vícios de concentração e exclusão daquela oriunda da lógica agro-industrial. Estamos em momento real de transição e é nesses momentos que se definem os futuros possíveis da evolução humana. Que futuro queremos? Que Economia queremos? Que lógica política queremos? Por isso tenho dito – Tecnologias Sociais – em conjunto com educação e estímulo à auto-educação – são o investimento de base mais importante para o sucesso desse novo milênio.

Ah… querem saber se Internet 2.0 é nova bolha? Claro que é, porque esse é o processo de evolução espiral da rede. E como tal, quando explodir, matará a grande maioria de seus surfadores. Mas depois virá a 3.0, a 4.0… a n.0. Querem apostar?

Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s