BI, CRM e KM: Tecnologias para Convergência dos Públicos de Interesse

Conhecimento pertence as Empresas e é um ativo gerador de Valor

Cada vez mais, o conhecimento e a inovação, juntamente com a marca e a cultura corporativa (valores, princípios, modelo de gestão, etc.) serão os ativos realmente próprios e, de certa maneira, inimitáveis de uma empresa. Isso porque, em grande parte, já são os responsáveis por gerar e proteger valor para as empresas.

O gerenciamento do conhecimento corporativo parte da premissa que o conhecimento existente em uma empresa pertence a ela própria, independente de ele estar na mente das pessoas, nas veias dos processos ou nos corações dos departamentos. Para que isso seja verdade o conhecimento deve ter portabilidade e ser extraído das mentes, veias e corações, transformando-se em pacotes, rotinas e modelos.

Fundamentos de Modelagem de Organizações

O conhecimento faz parte de uma espiral evolutiva, infinita e mutável já que ele cresce a cada interação entre os diferentes cérebros. Dessa forma, aprendemos com Peter Senge (em sua tese de learning organizations), que todo conhecimento deve estar disponível na empresa, já que esta evolui ao aprender.

A tese de Peter Senge, associado aos conceitos de “empresa viva” de Arie de Geus (analogia da empresa como organismos vivos) e “empresa quântica” de Clemente Nóbrega (analogia com conceitos da física quântica – fractais, sistemas abertos e teoria do caos) são hoje fundamentos importantes utilizados na modelagem das organizações modernas.

KM: Informações transformam-se em Conhecimento

Por sua vez, o gerenciamento do conhecimento (GC ou KM) significa organizar a capacidade de uma empresa de (i) captar, (ii) analisar, (iii) armazenar e (iv) gerir e (v) distribuir a informação que flui em toda a organização.  Em seguida, garantir que essa informação se transforme em conhecimento e que esteja acessível para as pessoas interessadas.

A partir deste conceito, e compreendendo a importância da Gestão do Conhecimento para efetivar o fenômeno da Convergência que as tecnologias de BI, CRM e KM passam a assumir um papel cada vez mais estratégico nas organizações.

Internet e Convergência: Palco para novas Formas de Relacionamento com Stakeholders

A evolução e crescimento dos níveis de inclusão digital dos agentes que compõem as cadeias de valor das empresas, assim como o estabelecimento da Web como o palco principal para a convergência forneceram os ingredientes para que novas formas de relacionamento com stakeholder possam ser aplicadas pelas empresas, potencializando suas estratégias corporativas.

Naturalmente, as bases desses relacionamentos e a conseqüente construção da presença digital das empresas, precisam ponderar a capacidade desta de gerir esses relacionamentos com base nas características e necessidades de seus principais stakeholders.

Esses relacionamentos e o conhecimento apreendido a partir deles, podem (e o são) fontes de criação e/ou proteção de valor para as empresas. Exemplos são a melhoria na comunicação interna, construção de marcas e a melhoria no relacionamento com clientes.

Conclusão

Em resumo, conhecimento é fonte de valor para as empresas, pois as permite evoluir e crescer. A Internet e a Convergência, por sua vez, são catalisadores de conhecimento, pois, a partir das interações com os diversos stakeholders, as empresas podem apreender informações e transformá-las em conhecimento. O processo de transformação do conhecimento passa pela metodologia de GK que permite isso. E, finalmente, tecnologias como CRM e BI dão o suporte a todo esse processo.

Conhecimento pertence as Empresas e é um ativo gerador de Valor

Cada vez mais, o conhecimento e a inovação, juntamente com a marca e a cultura corporativa (valores, princípios, modelo de gestão, etc.) serão os ativos realmente próprios e, de certa maneira, inimitáveis de uma empresa. Isso porque, em grande parte, já são os responsáveis por gerar e proteger valor para as empresas.

O gerenciamento do conhecimento corporativo parte da premissa que o conhecimento existente em uma empresa pertence a ela própria, independente de ele estar na mente das pessoas, nas veias dos processos ou nos corações dos departamentos. Para que isso seja verdade o conhecimento deve ter portabilidade e ser extraído das mentes, veias e corações, transformando-se em pacotes, rotinas e modelos.

Fundamentos de Modelagem de Organizações

O conhecimento faz parte de uma espiral evolutiva, infinita e mutável já que ele cresce a cada interação entre os diferentes cérebros. Dessa forma, aprendemos com Peter Senge (em sua tese de learning organizations), que todo conhecimento deve estar disponível na empresa, já que esta evolui ao aprender.

A tese de Peter Senge, associado aos conceitos de “empresa viva” de Arie de Geus (analogia da empresa como organismos vivos) e “empresa quântica” de Clemente Nóbrega (analogia com conceitos da física quântica – fractais, sistemas abertos e teoria do caos) são hoje fundamentos importantes utilizados na modelagem das organizações modernas.

KM: Informações transformam-se em Conhecimento

Por sua vez, o gerenciamento do conhecimento (GC ou KM) significa organizar a capacidade de uma empresa de (i) captar, (ii) analisar, (iii) armazenar e (iv) gerir e (v) distribuir a informação que flui em toda a organização.  Em seguida, garantir que essa informação se transforme em conhecimento e que esteja acessível para as pessoas interessadas.

A partir deste conceito, e compreendendo a importância da Gestão do Conhecimento para efetivar o fenômeno da Convergência que as tecnologias de BI, CRM e KM passam a assumir um papel cada vez mais estratégico nas organizações.

Internet e Convergência: Palco para novas Formas de Relacionamento com Stakeholders

A evolução e crescimento dos níveis de inclusão digital dos agentes que compõem as cadeias de valor das empresas, assim como o estabelecimento da Web como o palco principal para a convergência forneceram os ingredientes para que novas formas de relacionamento com stakeholder possam ser aplicadas pelas empresas, potencializando suas estratégias corporativas.

Naturalmente, as bases desses relacionamentos e a conseqüente construção da presença digital das empresas, precisam ponderar a capacidade desta de gerir esses relacionamentos com base nas características e necessidades de seus principais stakeholders.

Esses relacionamentos e o conhecimento apreendido a partir deles, podem (e o são) fontes de criação e/ou proteção de valor para as empresas. Exemplos são a melhoria na comunicação interna, construção de marcas e a melhoria no relacionamento com clientes.

Conclusão

Em resumo, conhecimento é fonte de valor para as empresas, pois as permite evoluir e crescer. A Internet e a Convergência, por sua vez, são catalisadores de conhecimento, pois, a partir das interações com os diversos stakeholders, as empresas podem apreender informações e transformá-las em conhecimento. O processo de transformação do conhecimento passa pela metodologia de GK que permite isso. E, finalmente, tecnologias como CRM e BI dão o suporte a todo esse processo.

Esse post foi publicado em Comunicação, Gestão e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s